O spaguetti-western em Português


(p.pereira) #1

[b]Para aqueles que falam a língua de Camões aqui vos deixo uma lista de blogues a considerar nas vossas pesquisas por entre os destroços do western-spaghetti![/b]

Por um punhado de euros

Online desde Junho de 2009, o blogue Por um punhado de euros, escrito pelos Portugueses Pedro Pereira e Emanuel Neto, aborda exclusivamente o western de produção europeia. Com publicação regular de resenhas que não se limitam aos títulos mais conhecidos do género.

Link: http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com

O Euro Western no Brasil

O Euro Western no Brasil, gerido por Paulo E. A. Lopes, aborda a questão do western à italiana de uma forma diferente de todos os blogues aqui referidos, focalizando-se na compilação e divulgação dos trabalhos gráficos originais utilizados na promoção dos filmes em solo Brasileiro.

Link: http://eurowesternnobrasil.blogspot.com/

Faroeste em geral

O nome não engana, no blogue Brasileiro Faroeste em geral, Artur passa em revista não só o western de produção americana como o sub-género europeu. Online desde 2007, um caso sério de longevidade.

Link: http://faroesteemgeral.blogspot.com/

Demmentia 13

Escrito pelo Brasileiro Ronald Perrone, o Demmentia 13 aborda de uma forma geral todo o cinema série-B, sejam eles filmes de acção, fantástico, terror ou western. O autor tem no entanto mostrado um carinho especial por produções europeias (western-spaghetti, giallo e afins).

Link: http://demmentia13.blogspot.com/

Dia da Fúria

O Dia da Fúria é acima de tudo um blogue de cinema abrangente, abordando regularmente obras completas de realizadores que marcaram o cinema de culto. Como pontapé de saída a equipa Brasileira do blogue deu destaque ao grande Sergio Sollima, acredito que de futuro voltem a fazer uma perninha no cinema europeu.

Link: http://diadafuria.wordpress.com/


(Sebastian) #2

http://dvdworld.com.br

alguma experiência com isso, ou outras recomendações?


(p.pereira) #3

Nunca de lá mandei vir nada, aliás sempre que tentei comunicar com editoras Brasileiras não recebi uma única resposta. Para mim estão riscados à partida! >:(


(Sebastian) #4

Agora! Novo! SWDB ORKUT http://www.orkut.com/Main#Community?cmm=99515416


(Sebastian) #5

Can someone make the Portuguese translation?

http://www.spaghetti-western.net/index.php/Introdução


(p.pereira) #6

[quote=“Sebastian, post:5, topic:2243”]Can someone make the Portuguese translation?

http://www.spaghetti-western.net/index.php/Introdução[/quote]

I might but will take a while. Lot’s of stuff.


(Sebastian) #7

maybe start with the introduction remarks and the recommended further links at the bottom and one of the first paragraphs. maybe we find a few more to translate. unfortunately I am packing for brazil, so I can’t ask my girlfriend to spend time on this right now :wink:


(p.pereira) #8

Ok.
Enjoy your visit!


(p.pereira) #9

Intro:

[sub]O que é um spaghetti western (faroeste italiano)?

O spaghetti western nasceu na primeira metade dos anos sessenta e durou até à segunda metade dos anos setenta. Esta designação deve-se ao facto de que a maioria destes filmes foram realizados e produzidos por italianos, frequentemente em colaboração com outros países europeus, principalmente Espanha e Alemanha. O nome de ‘spaghetti western’ era originalmente um termo depreciativo, dado pela crítica estrangeira a estes filmes, que os consideravam inferiores aos westerns americanos. A maioria dos filmes foram feitos com orçamentos baixos, mas vários conseguiram ainda assim ser inovadores e artísticos, ainda que no momento não tenham recebido muito reconhecimento, até mesmo na Europa. Na década de oitenta a reputação do género cresceu e actualmente o termo não é usado de forma depreciativa, ainda assim alguns italianos preferem continua a chamar-lhes ‘western all’italiana’ (westerns à italiana). No Japão, eles são chamados ‘Macarroni westerns’, na Alemanha ‘Italowestern’. [/sub]


(p.pereira) #10

Also changed the intro line. I think it’s easier to understand like that:

[sub]
Bem-vindo ao nosso ‘GUIA DE INTRODUÇÂO AO WESTERN-SPAGHETTI’. Comece a sua leitura por aqui caso seja novo no género e explore então por conta própria o esmagador número de filmes recenseados. [/sub]

Note: I’m translating according to standard Portuguese. The new orthographic agreement will join the standard with Brazilian but I’m not fan of that idea… most of Portuguese speakers aren’t actually!


(p.pereira) #11

Ok. Here’s another excerpt. I’ll continue during this week. Will be finished before Friday! :wink:

Hoje:

[sub]Uma nova geração de cineastas, representada por gente como Quentin Tarantino e Robert Rodriguez têm redescoberto e abraçado o género, introduzindo elementos nos seus próprios argumentos e desenvolvendo um estilo visual influenciado pelos mestres italianos dos anos sessenta. Ao mesmo tempo, veteranos do cinema como Martin Scorsese, Steven Spielberg, e claro Clint Eastwood, têm confirmado a sua grande admiração por Sergio Leone - que é hoje universalmente reconhecido como um dos maiores cineastas de todos os tempos. Ennio Morricone recebeu em 2007 um um Oscar honorário, pela "sua magnífica e multifacetada contribuição à arte da música para filmes”. Clint Eastwood ficou ao seu lado na cerimónia. Tinham-se encontrado dois dias antes, pela primeira vez em 40 anos. A introdução do DVD nos dias de hoje contribuiu muito para o género, pela primeira vez as novas gerações puderam ver os filmes na sua beleza panorâmica completa. E embora ainda haja muito material perdido, os filmes mais importantes estão agora disponíveis em DVD.

Os próximos passos recomendados: Visita o nosso Top 20, o Top 20 Aleternativo e os Favoritos da equipa para uma maior compreensão. [/sub]


(Sebastian) #12

muito bem!


(p.pereira) #13

Isto é uma chatice! Ainda assim aí está mais um pedaço… se estiver por aí alguma alma que tenha tempo para uma revisão, força! :wink:

O que há de tão especial nele?

[sub]É muitas vezes afirmado que o género surgiu em resposta ao enorme sucesso de Sergio Leone, Por um punhado de dólares (1964), uma adaptação de um filme de samurais japonês chamado Yojimbo (Akira Kurosawa, 1961). Mas um punhado de westerns haviam já sido feitos em Itália antes que Leone redefinisse o género. E os italianos nem foram os primeiros a fazer westerns na Europa durante a década de sessenta. Na Alemanha, uma série de westerns de imenso sucesso baseados na obra de Karl May haviam já sido produzidos, sendo que o primeiro western europeu a ter pelo menos alguns dos ingredientes normalmente associados ao ‘western spaghetti’, foi feito sem qualquer envolvimento italiano, tratando-se de uma co-produção Inglesa/Espanhola: Tierra brutal (Michael Carreras, 1962).

Mas foi certamente Sergio Leone que definiu o olhar e a atitude do género com seu primeiro western e os dois que se seguiriam: Por mais alguns dólares (1965) e O Bom, o mau e o vilão (1966). Reunidos, esses filmes são usualmente designados ‘A Trilogia dos dólares’. O oeste de Leone era um deserto poeirento de aldeias caiadas de branco, ventos uivantes, cães magricelas e cínicos heróis - tão barbudos como os vilões.

Todos os três filmes tiveram bandas sonoras compostas por Ennio Morricone, a sua música era tão pouco comum quanto as imagens de Leone: não só utilizava instrumentos como a trompete, a harpa e a guitarra eléctrica, ele também acrescentava assobios, chicotes e tiros à mistura - descrito por um crítico como uma "rattlesnake in a drumkit”. Morricone haveria de compor mais de 30 bandas sonoras para westerns italianos e foi um factor chave para o sucesso do género.

Em geral os westerns-spaghetti são mais orientados para a acção do que suas parceiros americanos. Os diálogos são escassos e alguns críticos têm apontado que foram construídos como óperas, utilizando a música como um ingrediente ilustrativo da narrativa. Durante anos os westerns haviam sido chamados de 'horse opera’, mas como o professor de estudos culturais - Christopher Frayling - salientou, foram os italianos a demonstrar o que o termo realmente significa.

Nessa época bastantes westerns foram lançados, muitos deles bastante violentos, o que lhes valeria diversos problemas com a censura. Levando-os a ser cortados ou mesmo proibidos em determinados mercados. Muitos destes westerns-spaghetti têm como palco a fronteira Americano-Mexicana e continham bandidos mexicanos sádicos e barulhentos. A Guerra Civil Americana e as suas consequências são outro panorama frequentemente usado. Em vez dos usuais nomes como Will Kane ou Ethan Edwards, os heróis muitas vezes têm nomes estranhos como Ringo, Sartana, Sabata, Johnny Oro, Arizona Colt ou Django.

O género é inegavelmente um género católico (alguns nomes frequentemente usados são Aleluia, Cemitério, Trindade e Água Benta Joe!), com um estilo visual fortemente influenciado pela iconografia católica. Por exemplo: a crucificação, a última ceia ou o ecce homo (Eis o homem). A surreal extravagancia Django mata! (Se sei vivo, Spara, 1967) de Giulio Questi, um ex-assistente de Fellini(!), tem como herói um tipo ressuscitado que testemunha o Dia do Julgamento numa empoeirada cidade ocidental.

As cenas exteriores de muitos westerns-spaghetti, especialmente aqueles com um orçamento relativamente maior, foram filmadas em Espanha. Especialmente no deserto de Tabernas (Almeria, Andaluzia), Colmenar Viejo e Hoyo de Manzanares (perto de Madrid). Na Itália, a província de Lazio (arredores de Roma) foi um local favorito. Alguns westerns-spaghetti foram também filmados nos Alpes, Norte de África ou Israel. Já as cenas de interiores eram geralmente filmadas nas cidades western dos estúdios de Roma, como o Cinecittà ou o Elios. Os estúdios Elios continham também uma “cidade mexicana” próxima da “cidade americana”. [/sub]